Cada vida é sensível ao amor ...

Subscribe:

quinta-feira, 23 de março de 2017

O Homem Novo

Hoje vi o 
Homem Novo...

Bendita imagem que me chegou vinda do futuro, carregada de sabor do passado, para me fazer sonhar com o que alguma vez foi, com o que ainda é discretamente e com o que voltará a ser inexoravelmente, claramente, limpidamente.
Quando o vi, me dei conta de que o Homem Novo não é novo. Pelo contrário, é tão antigo como os primeiros arquétipos da humanidade, mas carrega nele a eterna juventude da alma, a eterna capacidade de lançar-se para frente, de sonhar, de buscar melhores horizontes e empregar todas as suas energias a serviço de suas aspirações.
O homem novo não tem idade... tampouco tem novidade... Sua força reside em ser simplesmente jovem, como os Deuses das distantes mitologias, como aqueles heróis sagrados que haviam bebido na taça de Hebe Olímpica e desconheceram então o tempo que passa e desgasta.
Tenho visto no Homem Novo algo que não varia nunca, algo com sabor eterno, com a segurança do que é válido, mas com o pulsar inconfundível do que está vivo.
E tenho advertido que o Homem Novo está vivo porque é um homem íntegro. Não há nele a dicotomia do corpo e alma, não se inclina nem pela defesa deste, nem pela negação da outra, ambos os elementos estão com ele, ambos os elementos o fazem Homem.
Se tivesse sido apenas corpo, seria como uma máquina lançada ao mundo; se apenas espírito; assemelharia a uma enteléquia dissimulada nas nebulosidades do pensamento. Mas, o vi completo, ativo, senhor de um corpo são, que obedece e responde a um espírito superior.
Tem comprovado que o Homem Novo cuida com atenção do seu corpo e da sua alma. É forte, é saudável, é belo, é jovem...E tem um ser interior proporcional ao exterior. É educado porque aprendeu que os maiores mistérios se conhecem com a alma aberta e com a mente serena, desfez as formas vazias da memória e inclinou-se por uma sabedoria consciente, imbuído em si mesmo tanto e tão completamente como a menor das células. Pratica o “conheça-te a ti mesmo”, e esta chave tem-lhe permitido abrir as portas da Natureza, através da lei de analogias.
Maravilha no Homem Novo sua delicada sensibilidade, não é frio como poderia supor-se. Pelo contrário, tem unido inteligentemente o “ethos” e o “esthetos” dos gregos: quanto melhor, mais belo. Cultua a beleza e a moral, o brilho da virtude é o brilho do seu olhar, é fulgor em seus gestos e soberania em todas as suas atitudes. Reconhece o ambiente que envolve seu coração e ama sem limites, desinteressadamente. Faz tudo a seu Novo Modo de Homem Novo. O egoísmo é planta erradicada de seu jardim interior.
E onde este Homem Novo leva a inteligência e o coração? O vi somar suas experiências, as da razão e as da sensibilidade e, o vi, então, inclinar-se fervoroso ante o mistério do Cosmos, abrindo seu ser ao Deus ignoto que ilumina desde o infinito. A fé é o ingrediente imprescindível a este homem que anseia descobrir o enigma da vida, e sabe que para encontra-lo terá que recorrer a novos e poderosos elementos, que vão mais além de sua compreensão limitada das coisas, por isso tem desenvolvido sua fé, por isso tenho visto a mística poderosa deste Homem Novo.
E acredito ter comprovado que o Homem Novo sabe de onde vem e para onde vai, a história não o atemoriza nem o inibe, ao contrário, o acompanha e aconselha. É consciente do seu momento atual e não rechaça sua sorte, se alegra com as grandes conquistas e se esforça em corrigir os erros. Não é passivo na busca do seu próprio prazer: o Homem Novo aprendeu a escolher e a comprometer sua vida nesta escolha. O dever o chama à ação, como a terra chama à água.
Eu o vi bilhar como uma pedra preciosa; nada pode empalidecer-lhe o brilho. E quando os ventos da vida, às vezes cobrem-no de lodo, o tenho visto lavar-se nas águas de sua própria vida, e voltar a brilhar como no início. A seu lado nada é escuro, nada é sujo, nada é temível. Seu olhar é uma espada e suas mãos são arados.
Hoje vi o Homem Novo... o vi passar e o chamei, porque eu também me sentia só... Porém, ao voltar-se para mim, transfigurou-se num exército de ouro, uma mão era árvore de todos os Homens Novos que se foram, e a outra, floresceu em imagens daqueles outros que virão.
(Délia Steinberg Guzmán)




0 comentários:

Postar um comentário

Sensibilidade da vida ...

Cada vida é sensível ao amor. As expressões de vida mais inconscientes como as flores e as árvores compreendem se as amamos ou não ... Fada do Amor!!

Silfos

Silfos
"Eu vos saúdo, Silfos, Que constituís a representação do ar e dos ventos, Portadores das mensagens para toda a terra, Eu deposito em vós a minha imensa confiança, Pois meus pensamentos são sempre positivos, Voltados para o amor de todas as coisas existentes. Fazei de mim a imagem do esplendor da luz. Fazei deste pensamento, meu milagre! Mestres do ar, Eu vos saúdo fraternalmente." Fada do Amor!